segunda-feira, 12 de outubro de 2009

.7

Desgastei-me neste chão de incoerências. Sou-me de uma violência feroz. Destemida. Quase que eloquente. Sou-me ainda nesta travessia pelo Tejo. Por entre os restos dos dias, no meio de pessoas, processos, aquedutos antigos de palavras.

Ainda me consigo rir como uma criança e aprendi a melhor amar nas pequenas coisas. Nas que por pouco interpretamos como insignificantes. É aí que encontro o meu recobro do amor.

Por vezes, esqueço-me de como é bom ter quem nos dê a mão mesmo que não o peça. Mesmo que me convença que sozinha irei vencer. É bom saber que o bom que guardo é tão devido àqueles que são o meu círculo de aço.

Por me relembrarem o que sou e de que sou feita. A vocês um obrigada.

3 comentários:

  1. "recobro do amor"? Deliciosa a forma com te exprimes.

    ResponderEliminar
  2. E vou continuar a seguir as tuas palavras, se me permites.

    ResponderEliminar