terça-feira, 14 de julho de 2009

I - Não há duas sem três



Lá em casa somos três. Completamente diferentes entre si. Eu irreverente, independente, completamente louca. A J. easy going, com um riso estridente, e a minha companhia das noites em que ambas estamos sozinhas. Depois, a S. a mais conservadora de todas, romântica, lutadora e picuinhas.


Conheço a S. desde os três anos. Já passamos por muito juntas. A amizade viveu sempre em nós. Ainda nos lembramos de quase tudo da nossa infância e adolescência. É a minha amiga mais antiga.

Depois a J., conheci quando me mudei para esta casa. Aos poucos fui entrando e ela foi-me deixando entrar. Agora confessa que tem medo de mim… e eu sinceramente não imagino o porquê. Mas lá que sente medo sente. Se me aproximo muito, ela dá saltinhos. E eu já o faço de propósito. Não consigo resistir.

A J. ficou traumatizada com a morte do MJ. E agora só ouve música dele e canta. Canta muito. E deprime-se. E fala que ele morreu. E então agora todos podemos morrer. Enfim, não há paciência.

J. – Ai amiga isto deixa-me mesmo mal… ele estava vivo e depois morreu!
Eu – (silêncio)
J. – És capaz de falar comigo sobre isto? Mas estás a ouvir-me??
Eu – Opa que queres? Ele estava vivo e agora morreu. E é isso!
J. – Ah! Detesto quando não concordas com o que digo!
Eu – (silêncio)


Na mesma madrugada:

J. – Tenho ali toucinho do céu, vamos comer?
Eu – Simmmmmmmmmmmmmmmmm.
(no entretanto, entre a segunda e a terceira colher de toucinho, pego num cigarro e num isqueiro)
J. – Mas vais fumar?? Tens de comer primeiro!
Eu – Mas eu gosto de comer, fumar e comer. Depois a boca fica docinha…
J. – Mas não pode ser! Tens de comer primeiro! Quem fazia isso era o meu tio, comia e fumava ao mesmo tempo!
Eu – Mas eu como e depois páro de comer. A fumar e a terminar de fumar. E depois é que volto a comer…
Ela – Oh! Ele também não comia e fumava ao mesmo tempo!
Eu – hmm…
Ela – E ele também morreu…
Eu - ??????

Acho que devíamos ter um big brother lá em casa. É que sinceramente…


Ontem ao final do dia:

Eu – Olha eu e a J. estamos com desejo de hambúrguer e hoje vamos ao pé de casa comer um. Queres vir?
S. – hmmmm… mas eu hoje ia fazer raviolis com atum e bechamel e queijo no forno…
Eu – Mas eu não consigo comer mais bechamel que enjoo imenso…
S. – Eu ponho pouco….
Eu – Mas eu e a J. queremos hambúrguer e pizza … é o nosso desejo…
S. – Os raviolis iam ficar mesmo bons…
Eu – mas nós queremos hambúrguer…
S. – Mas vamos lá buscar os hambúrguers e vimos comer para casa?
Eu – Não! Qual vir para casa! É para se comer lá, que eu preciso de ver gente!!
S. – Mas aquele sítio é horrível… Podíamos comer em casa!
Eu – Não! Comemos lá, S.!
S. – E tu chegas tão tarde…
Eu – Ai! Não me enerves…! Até logo
S. – Pronto. Até logo.

E é isto. Se estou chateada ou fodida tenho-as a bater à porta do meu quarto a perguntarem o que tenho. E porque estou assim. E não vens jantar connosco. E não tiraste o tapete do estendal. E lavas hoje a loiça. E porque fumas tanto. E vais beber álcool agora? E isto. E aquilo.

Ou seja, um ménage à trois sem a parte do prazer. Só as chatices que podem vir antes ou depois. Santa Maria!

Mas sim. Adoro-as. E pronto. Durante os tempos não o volto a dizer. Já sabem como sou.



3 comentários:

  1. ahahahhah, viver com outras pessoas é sempre um drama. . .
    mas olha, lá nos vamos rindo. e choramos também. mas faz parte. e sabe bem, até. quando a panela ferve em pouca águ não achamos piada mas lá vem um abraço ou um sorriso qualquer que nos muda o pensamento.

    mas sabes, narcisa, isto é tudo muito bonito, no entanto viver sozinha é que é bom! lol claro, digo isto porque sou o cúmulo do egoísmo e do narcisismo. haja paciência!!

    :D

    bisou *

    sofia

    ResponderEliminar
  2. Até tenho pena delas :-X
    Glup!

    **azuis

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar